Estudo topografico e biometrico da cisterna do quilo humana

Show simple item record

dc.contributor.author Rodrigues, Celio Fernando de Sousa [UNIFESP]
dc.date.accessioned 2015-12-06T23:00:43Z
dc.date.available 2015-12-06T23:00:43Z
dc.date.issued 1999
dc.identifier.citation São Paulo: [s.n.], 1999. 76 p. ilustab.
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16555
dc.description.abstract O ducto toracico, principal vaso linfatico do corpo, pode apresentar uma dilatacao em sua origem, denominada cisterna do quilo. Alem de relatos sobre lesao da cisterna do quilo, bem como dificuldades de sua identificacao em exames complementares, a descricao da mesma, na literatura, ocorre de formas bem diferentes e variadas. Assim sendo, procurando fornecer suporte anatomico para os procedimentos medicos, estudamos a cisterna do quilo no que se refere a sua frequencia, forma, relacoes topograficas e caracteristicas biometricas. A pesquisa foi realizada com uma amostra de 50 cadaveres fixados em formalina 1O por cento, de individuos adultos, brasileiros, de ambos os sexos (6 femininos e 44 masculinos). As cisternas do quilo estiveram presentes em 27 individuos (54,00 por cento) com formas variaveis: 10 (37,03 por cento) fusiformes, 6 (22,22 por cento) irregulares, 4 (l4,81 por cento) sigmoides, 3 (11,11 por cento) triangulares, 3 (11,11 por cento) arredondadas (ou ovaladas) e 1 (3,70 por cento) quadrangular. Os troncos linfaticos afluentes das cisternas do quilo tambem foram variaveis , sendo encontrado com frequencia de 25,92 por cento a formacao com 3 troncos a saber, o intestinal e os lombares direito e esquerdo; outras formacoes sempre apresentaram frequencias menores. No que se refere a coluna vertebral, o nivel de distribuicao das cisternas do quilo, ocorreu entre T 11 e L3., com maior frequencia no nivel da 1ªe 2ª vertebras lombares (77,77 por cento). Nao encontramos associacao entre os diametros da cisterna do quilo e sua posicao em relacao a coluna vertebral. Em relacao ao plano mediano, as cisternas encontradas locarizaram-se no mesmo nivel (51,85 por cento) ou a direita do mesmo (48,l4 por cento). Em relacao aos pilares do diafragma, as cisternas do quilo estiveram na maior parte das vezes (81,48 por cento) entre os dois, em 11,11 por cento dos casos estiveram posteriormente ao pilar direito do diafragma e em 7,40 por cento, foram encontradas anteriormente ao mesmo pilar. Com relacao a parte abdominal da aorta, na maioria dos casos as cisternas do quilo situaram-se posteriormente (88,88 por cento). Em 11,11 por cento dos casos, estiveram a direita da arteria. A altura das cisternas do quilo variou entre 9 e 43 mm, com media de 17,7 mm e a largura esteve entre 5 e 21 mm, com media de 9,3mm. As cisternas do quilo foram localizadas bem proximas da arteria renal direita, sendo 37,03 por cento no mesmo nivel, 33 ,33 por cento abaixo e ...(au) pt
dc.format.extent 76 p.
dc.language.iso por
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
dc.rights Acesso restrito
dc.subject Ducto Torácico pt
dc.subject Anatomia pt
dc.subject Sistema Linfático pt
dc.title Estudo topografico e biometrico da cisterna do quilo humana pt
dc.title.alternative Topographyc and biometric study of the human cisterna chile en
dc.type Tese de doutorado
dc.identifier.file epm-016276.pdf
dc.description.source BV UNIFESP: Teses e dissertações
unifesp.campus Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina pt



File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search


Browse

Statistics

My Account