Uso de metilprednisolona como inibidor da resposta inflamatória sistêmica induzida pela circulação extracorpórea

Uso de metilprednisolona como inibidor da resposta inflamatória sistêmica induzida pela circulação extracorpórea

Título alternativo Used methylprednisolone with systemic inflammatory response induced cardiopulmonary bypass
Autor Brasil, Luiz Antonio Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Buffolo, Enio Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A circulação extracorpórea (CEC) propicia o desenvolvimento de uma Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêmica, com liberação de citocinas responsáveis por várias manifestações clínicas. O objetivo deste trabalho foi observar a liberação das citocinas Fator de Necrose Tumoral Alfa (TNFA) e interleucina 6 (IL-6) e avaliar a resposta inflamatória sistêmica em pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio com CEC, utilizando ou não metilprednisolona. Foram estudados 30 pacientes, sendo 15 (Grupo I) com uso de metilprednisolona (30 mg/Kg) e 15 (Grupo II) sem uso de corticóide. Amostras sangüíneas seriadas foram colhidas, sendo analisadas a liberação de TNFa e IL-6, contagem de leucócitos, VHS e glicemia. Foram comparadas a pressão arterial, freqüência cardíaca, temperatura, sangramento pós-operatório, tempo de intubação orotraqueal e necessidade de drogas vasoativas. Na análise estatística foram considerados significativos valores de p < O,05. No Grupo I o TNFA não foi detectado e a IL-6 foi detectada em 13 pacientes, com níveis variando de 8,6 a 101,8 pg/mL. No Grupo II o TNFa foi detectado em 13 pacientes, com níveis entre 5,4 e 231,0 pg/mL. A IL-6 neste grupo foi detectada nos 15 pacientes, sendo seus níveis mais elevados que aqueles encontrados no Grupo I, variando entre 5,5 e 2569,0 pg/mL. Os pacientes do Grupo I evoluíram com pressão arterial média mais elevada (7,9 ñ O,5 vs 7,3 ñ O,4 mmHg) necessitando de menor uso de drogas vasoativas (5 vs 11). Apresentaram menos taquicardia (l 05,6 ñ 5,9 vs 109,3 ñ 7,2 bpm), temperatura menos elevada (36,5 O,2 vs 37,3 ñ O,2 OC), menor sangramento pós-operatório (576,6 ñ 119,5 vs 810,0 176,2 mL), menor tempo de intubação orotraqueal (l 1,0 ñ 2,0 vs 14,6 ñ 2,9 hs) e leucocitose menos acentuada. Os níveis de glicemia só foram significativos (Grupo I > Grupo II) nas amostras colhidas no PO imediato e 1§ PO. O VHS apresentou diferença estatisticamente significativa (Grupo I < Grupo II) somente na amostra colhida com 12 horas de pós-operatório. Concluímos que a metilprednisolona inibiu significantemente a liberação de citocinas pró-inflamatórias principalmente o TNFa. Os efeitos sistêmicos adversos decorrentes da resposta inflamatória induzida pela CEC foram atenuados com o uso do corticóide. Com base em nossos resultados, acreditamos que o uso profilático e rotineiro de metilprednisolona pode ser uma opção terapêutica, visando a diminuição da resposta inflamatória sistêmica decorrente...(au).
Palavra-chave Circulação extracorpórea
Citocinas
Fator de necrose tumoral alfa
Interleucina-6
Idioma Português
Data de publicação 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 120 p. tabgraf.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 120 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16515

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta