Monitorizacao ambulatorial da pressao arterial em mulheres normotensas em terapia de reposicao estrogenica

Monitorizacao ambulatorial da pressao arterial em mulheres normotensas em terapia de reposicao estrogenica

Título alternativo Ambulatory monitoring of blood pressure in normotensive women under estrogen replacement therapy
Autor Souza, Mileide Zuim Dantas de Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Avaliou-se o comportamento da pressao arterial sistemica atraves de monitorizacao ambulatorial da pressao arterial em pacientes normortensas, histerectomizadas e pos-menopausicas antes e apos Introdução da terapia de reposicao hormonal com estrogenio, via oral. Foram estudadas 15 mulheres em acompanhamento no Setor de Climaterio da Disciplina de Ginecologia e no Setor de Cardiopatia Hipertensiva da Disciplina de Cardiologia da Universidade Federal de São Paulo. As pacientes tinham media de idade de 52 n 6,5 anos, variando entre 39 e 65 anos. Sete, alem de histerectomizadas, eram tambem ooforectomizadas bilateralmente e uma delas apenas unilateralmente. As pacientes fizeram terapia de reposicao com estrogenios equinos conjugados, via oral, na dose de O,625 mg/dia, ininterruptamente. A primeira monitorizacao da pressao arterial foi realizada antes de iniciada a terapia de reposicao hormonal, e a segunda e terceira, respectivamente, apos tres e seis meses do inicio da terapia. Os parametros avaliados em cada monitorizacao ambulatorial foram: pressao arterial sistolica (PAS), pressao arterial diastolica (PAD), cargas pressoricas das pressoes arteriais sistolica e diastolica, frequencia cardiaca, quedas noturnas das pressoes arteriais sistolica e diastolica. Foram estudadas tambem as pressoes sistolica e diastolica, bem como suas cargas pressoricas isoladamente nos periodos diurno e noturno. Avaliou-se tambem as pressoes sistolica e diastolica casuais e o indice de massa corporea. Nao houve diferenca estatisticamente entre os valores encontrados na monitorizacao ambulatorial da pressao arterial de 24 horas de inicio (T1) e apos tres meses (T3) e seis meses (T6) da terapia de reposicao hormonal. Para a pressao arterial sistolica foram encontrados: 117,4 n 11,8mmHg (T1), 119,3 n 11,3 mmHg (T3) e 117,6 n 10,9 mmHg T6), e para a pressao arterial sistolica: 72,1 n 8,9 mmHg (T1), 73,2 n 8,9 mmHg (T3) e 71,8 n 9,1 mmHg (T6). As cargas pressoricas da pressao arterial sistolica foram as seguintes: 19,1 por cento (T1), 21,4 por cento (T3) e 18,6 por cento (T6) e as cargas pressoricas da pressao arterial diastolica: 14,3 por cento (T1), 15,3 por cento (T3) e l3 por cento (T6). Em relacao a queda noturna da pressao arterial sistolica houve reducao gradual, nao estatisticamente significante, do numero de pacientes que a apresentaram 66,7 por cento; 60 por cento e 40 por cento respectivamente, no inicio da terapia de reposicao hormonal e apos tres e seis ...(au)
Palavra-chave Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial
Pressão Arterial
Terapia de Reposição de Estrogênios
Menopausa
Histerectomia
Idioma Português
Data de publicação 1999
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1999. 100 p. tabgraf.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 100 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/16501

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta