Reliability of two behavioral tools to assess pain in preterm neonates

Reliability of two behavioral tools to assess pain in preterm neonates

Autor Guinsburg, Ruth Autor UNIFESP Google Scholar
Almeida, Maria Fernanda Branco de Autor UNIFESP Google Scholar
Peres, Clovis de Araujo Autor UNIFESP Google Scholar
Shinzato, Alexandre R. Autor UNIFESP Google Scholar
Kopelman, Benjamin Israel Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo CONTEXT: One of the main difficulties in adequately treating the pain of neonatal patients is the scarcity of validated pain evaluation methods for this population. OBJECTIVE: To analyze the reliability of two behavioral pain scales in neonates. TYPE OF STUDY: Cross-sectional. SETTING: University hospital neonatal intensive care unit. PARTICIPANTS: 22 preterm neonates were studied, with gestational age of 34 ± 2 weeks, birth weight of 1804 ± 584 g, 68% female, 30 ± 12 hours of life, and 30% intubated. PROCEDURES: Two neonatologists (A and B) observed the patients at the bedside and on video films for 10 minutes. The Neonatal Facial Coding System and the Clinical Scoring System were scored at 1, 5, and 10 minutes. The final score was the median of the three values for each observer and scale. A and B were blinded to each other. Video assessments were made three months after bedside evaluations. MAIN MEASUREMENTS: End scores were compared between the observers using the intraclass correlation coefficient and bias analysis (paired t test and signal test). RESULTS: For the Neonatal Facial Coding System, at the bedside and on video, A and B showed a significant correlation of scores (intraclass correlation score: 0.62), without bias between them (t test and signal test: p > 0.05). For the Clinical Scoring System bedside assessment, A and B showed correlation of scores (intraclass correlation score: 0.55), but bias was also detected between them: A scored on average two points higher than B (paired t test and signal test: p < 0.05). For the Clinical Scoring System video assessment, A and B did not show correlation of scores (intraclass correlation score: 0.25), and bias was also detected between them (paired t-test and signal test: p < 0.05). CONCLUSION: The results strengthen the reliability of the Neonatal Facial Coding System for bedside pain assessment in preterm neonates.

CONTEXTO: Uma das principais dificuldades para tratar adequadamente a dor no recém-nascido é a pobreza de métodos validados para avaliar a dor nessa faixa etária. OBJETIVO: Analisar a confiabilidade de duas escalas comportamentais de avaliação da dor do recém-nascido. TIPO DE ESTUDO: Estudo transversal. LOCAL: Unidade de terapia intensiva neonatal de hospital universitário. PARTICIPANTES: 22 prematuros com idade gestacional de 34 ± 2 semanas, peso ao nascer de 1.804 ± 584 gramas, 68% femininos, com 30 ± 12 horas de vida e 30% com intubação traqueal no momento do estudo. PROCEDIMENTOS: Dois neonatologistas (A e B) observaram os recém-nascidos à beira do leito e em filmes de vídeo durante 10 minutos. O Sistema de Codificação da Atividade Facial Neonatal e a Escala de Conforto Clínico foram aplicados 1, 5 e 10 minutos após o início da observação. A pontuação final foi obtida pela mediana dos três valores, para cada observador e para cada escala. O neonatologista A desconhecia a avaliação de B e vice-versa. A análise dos filmes de vídeo foi realizada da mesma maneira, três meses após a avaliação à beira do leito. VARIÁVEIS ESTUDADAS: Os escores finais foram comparados entre os observadores por meio do cálculo do coeficiente de correlação intraclasse e por análise da presença de viés (teste t pareado e teste do sinal). RESULTADOS: Para o Sistema de Codificação da Atividade Facial Neonatal aplicado à beira do leito e em vídeo, os escores obtidos por A e B mostraram uma correlação intraclasse significante (0,62), sem presença de viés (teste t e do sinal: p > 0,05). Para a Escala de Conforto Clínico à beira do leito, os escores obtidos por A e B mostraram uma correlação significante (0,55), foi detectado: o escore obtido por A foi, em média, dois pontos superior ao de B (teste t e do sinal: p < 0,05). Para a mesma escala aplicada em vídeo, os escores obtidos por A e B não mostraram correlação (0,25) e detectou-se viés (teste t e do sinal: p < 0,05). CONCLUSÃO: Os resultados reforçam a confiabilidade do Sistema de Codificação da Atividade Facial Neonatal aplicado à beira do leito para a avaliação da dor no recém-nascido pré-termo.
Palavra-chave Pain
Newborn
Infant
Assessment
Dor
Recém
Nascido
Avaliação
Idioma Inglês
Data de publicação 2003-01-01
Publicado em São Paulo Medical Journal. Associação Paulista de Medicina - APM, v. 121, n. 2, p. 72-76, 2003.
ISSN 1516-3180 (Sherpa/Romeo)
Publicador Associação Paulista de Medicina - APM
Extensão 72-76
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802003000200008
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1516-31802003000200008 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1612

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1516-31802003000200008.pdf
Tamanho: 165.9KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta