Efeitos da exposição prolongada a luz e da administração repetida de melatonina sobre modelos animais de discinesia tardia

Efeitos da exposição prolongada a luz e da administração repetida de melatonina sobre modelos animais de discinesia tardia

Título alternativo Effect of exposure prolonged the light and repetitive administration of melatonin in animal model of late dyskinesia
Autor Abilio, Vanessa Costhek Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Frussa-Filho, Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Doenca por vezes irreversivel, caracterizada por movimentos involuntarios (principalmente orofaciais) e supostamente consequente de uma supersensibilidade de dopaminoceptores pos-sinapticos estriatais, compensatoria ao bloqueio imposto pelos neuroiepticos, a discinesia tardia nao se desenvolve em todos os pacientes tratados com essas drogas - fato que sugere a participacao de fatores ainda desconhecidos no estabelecimento dessa sindrome. A busca e o estudo desses fatores poderiam, portanto, trazer novos subsidios ao entendimento de sua fisiopatologia (ainda controversa) bem como sugerir a possibilidade de tratamentos eficazes (inexistentes ate o momento). Entre os fatores capazes de modificar a plasticidade dopaminergica incluem-se o cicio clarolescuro e o hormonio meiatonina, inibido pela exposicao a luz. Em nosso estudo, procuramos verificar os efeitos da exposicao ininterrupta a luz ou da administracao prolongada de melatonina sobre dois modelos animais tradicionais de discinesia tardia: o registro da atividade geral (ATG) e da estereotipia (EST) induzida pela apomorfina em ratos privados da administracao prolongada de haloperidol, bem como sobre um novo modelo, recentemente proposto: o registro dos movimentos orofaciais (MOFS) induzidos pela administracao repetida de reserpina. Os tres modelos animais utilizados foram efetivos em evidenciar a supersensibilidade comportamental, uma vez que, em relacao aos respectivos controles, ratos privados de haloperidoi apresentaram aumentos significantes tanto na ATG como na EST induzida por apomorfina, enquanto que ratos tratados com reserpina exibiram uma maior intensidade de MOFS. Em relacao aos animais mantidos em um ciclo claro/escuro, a exposicao ininterrupta a luz aumentou significantemente a ATG e os MOFs tanto dos animais supersensiveis (tratados com haloperidol ou reserpina), como dos animais dos respectivos grupos controle (privados de veiculo). Por outro lado, o aumento proporcional da ATG e dos MOFs em relacao aos respectivos grupos controle, mantidos sob o mesmo ciclo, foi significantemente menor nos ratos expostos a um ciclo claro/claro. Dessa forma, a exposicao ininterrupta a luz aumentou a expressao da supersensibilidade comportamental mas diminuiu seu desenvolvimento. Por outro lado, os efeitos estimulantes motores da exposicao a luz nao foram observados para a EST induzida por apomorfina. Uma vez que este comportamento, ao contrario dos anteriores, nao depende da disponibilidade da...(au)
Palavra-chave Luz
Melatonina
Dopamina
Discinesia induzida por medicamentos
Comportamento
Idioma Português
Data de publicação 1998
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1998. 117 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 117 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15838

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta