Receptores muscarínicos em epidídimo de ratos

Receptores muscarínicos em epidídimo de ratos

Título alternativo Muscarinic receptors in the epididymis in rats
Autor Marostica, Elisabeth Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Porto, Catarina Segreti Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O objetivo do presente trabalho foi caracterizar os receptores muscarinicos e seus subtipos, em diferentes regioes do epididimo de ratos. Foi utilizado ratos machos, albinos, da colonia BAW com 48 a 52 dias de idade. O epididimo foi isolado e seccionado em tres regioes: cabeca (segmento inicial, cabeca proximal e distal), corpo (proximal e distal) e cauda (proximal e distal). Os seguintes aspectos foram analisados: Estudos de ligacao do [3H]QNB em preparacoes de membranas da cabeca e da cauda do epididimo. - ensaios de cinetica e determinacao da concentracao de proteina, do tempo e da temperatura. - ensaios de saturacao e determionacao dos parametros de ligacao, constante de dissociacao no equilibrio (KD)e densidade de receptor (Bmax). - ensaios de competicao e determinacao da constante de inibicao (Ki) e do logaritmo negativo da constante de inibicao (pKi). Estudo da reatividade farmacologica. - curvas concentracao-efeito simples de carbacol e determinacao do valor de pD2. - registro isometrico das concentracoes esponmtaneas, da concentracao maxima induzida pelo carbacol, na ausencia e na presenca de atropina, metoctramina e HHSiD, e da maxima capacidade contratil induzida pelo BaCl2. Observamos que: .Houve uma relacao linear entre a ligacao especifica do [3H]QNB e a concentracao de proteinas de membrana, a ligacao maxima ocorreu com a concentracao de 240 µg/ml. A concentracao de 160 µg/ml foi utilizada em todos os experimentos. A ligacao especifica do [3H]QNB foi dependente do tempo de incubacao e da temperatura do ensaio. A ligacao especifica do [3H]QNB as membranas epididimais foi maior a 30ºC e atingiu o equilibrio em 60 minutos. Porem, a 4ºC, a ligacao especifica nao foi dependente do tempo. As caracteristicas de especificidade, dependencia do tempo, da temperatura e da concentracao de proteina permitem concluir que a ligacao do [3H]QNB foi feita com um sitio receptor especifico. . Nas condicoes de equilibrio, a ligacao do [3H]QNB as membranas da cabeca e da cauda do epididimo foi especifica, saturavel e reversivel. .A analise do Scatchard revelou a presenca de um unico sitio de ligacao, de alta afinidade, tanto na cabeca como na cauda do epididimo. A afinidade e a densidade de receptores foram maiores na regiao da cauda quando comparada com a cabeca do epididimo. .Os antagonistas muscarinicos: atropina (nao seletivo), pirenzepina (M1-seletivo), metoctramina (M2-seletivo), 4-DAMP (M1/M3-seletivo) e HHSiD (M3-seletivo) produziram um deslocamento da ligacao do [3H]QNB tanto na cabeca como na cauda do epididimo. Nao houve diferenca significativa nos valores de pKi para os antagonistas muscarinicos entre as duas regioes. A ordem de potencia para os antagonistas foi: atropina > 4-DAMP = Metoctramina > HHSiD = pirenzepina. Os valores de pKi para os antagonistas muscarinicos obtidos na cabeca e cauda do epididimo foram comparados com os valores de pKi da literatura, obtidos para os mesmos antagonistas, em tecidos e celulas que expressam cada subtipo de receptor muscarinico. A analise demonstrou que os sitios de ligacao do [3H]QNB presentes no epididimo, correlacionaram-se melhor com o subtipo de receptor muscarinico M2. Os resultados indicam que os receptores muscarinicos do subtipo M2 estao presentes tanto na cabeca como na cauda do epididimo. A presenca de contracoes espontaneas foram observadas em tubulos epididimais da regiao da cauda. O valor de pD2 para o carbacol foi de 6,40 e a contracao maxima induzida pelo carbacol foi bloqueada pela atropina e pelo HHSiD, mas nao pela metoctramina. A maxima capacidade contratil do orgao, observada pela adicao de BaCl2, foi semelhante aquela induzida pelo carbacol. Os resultados indicam que os receptores muscarinicos do subtipo M3 podem estar envolvidos no processo contratil do epididimo de ratos. Em conclusao, nossos estudos demonstram a presenca de receptores muscarinicos na cabeca e na cauda do epididimo. A cauda mostra maior afinidade e maior densidade desses receptores quando comparada com a cabeca. Estudos de competicao com diferentes antagonistas indicaram a presenca do receptor muscarinico M2 em ambas as regoes do epididimo. Porem, receptores muscarinicos M3 tambem estao presentes na cauda do epididimo, e estao envolvidos no processo contratil. Assim, a neurotransmissao colinergica pode ser um fator controlador da contratilidade e/ou da funcao secretoria epididimal, essencial para preservacao do espermatozoide. A melhor caracterizacao dos subtipos de receptores muscarinicos e de suas funcoes nos orgaos genitais acessorios podem ser importantes para abordagem de novos alvos para o tratamento da infertilidade e/ou contracepcao masculina
Palavra-chave Epididimo
Receptores muscarínicos
Idioma Português
Data de publicação 1998
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1998. 84 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 84 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15691

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta