Aspectos morfológicos do endométrio, na fase de estro, de ratas pinealectomizadas

Aspectos morfológicos do endométrio, na fase de estro, de ratas pinealectomizadas

Título alternativo Morphological aspects the endometrium in the estrus phase of pinealectomised rats
Autor Teixeira, Alvaro Aguiar Coelho Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Simôes, Manuel de Jesus Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo No presente estudo, prpousemo-nos a avaliar, morfologicamente, o endométrio de ratas pinealectomizadas, além dos níveis dos hormônios luteinizante(LH), folículo estimulante (FSH) e da prolactina (PRL). Para tanto utilizamos 30 ratas, adultas, mantidas no ciclo claro/escuro (l2/12 horas), as quais foram divididas ao acaso em seis grupos iguais: GI - ratas normais, durante três meses; GII - ratas normais, durante seis meses; GIII - ratas pinealectomizadas e avaliadas após três meses; GIV - ratas pinealectomizadas e tratadas com melatonina por três meses; GV - ratas pinealectomizadas e avaliadas após seis meses; GVI - ratas pinealectomizadas por três meses e, em seguida, tratadas com melatonina por mais três meses. Em todos os animais foi realizado, nos últimos 12 dias do experimento, exame colpocitológico para acompanhamento do ciclo estral. Ao final do experimento, à medida que os animais apresentassem a fase de estro, eram guilhotinados sempre pela manhã (8:00 -10:00), e coletado uma amostra de sangue de aproximadamente 4 ml, de cada animal. Em seguida, foram retirados dois fragmentos do terço médio de cada corno uterino, mergulhados em líquido de Bouin e incluídos em "paraplast", para análise em microscopia de luz. Os resultados mostraram que nos animais dos grupos G IV e G VI, o ciclo estral foi normal, enquanto que nos animais dos grupos G III e G V, a ciclicidade estral foi alterada, pois além do aumento na incidência da fase de estro, 20(por cento) dos animais desenvolveram a condição de estro permanente. Com relação as dosagens hormonais, houve um aumento nos níveis do LH nos grupos G III e G V, e uma pequena redução no grupo G IV. Não houve alteração entre os grupos G VI e G II. Os níveis do FSH e prolactina mostraram-se reduzidos em todos animais dos grupos pinealectomizados. No entanto, esses resultados não mostraram diferenças estatísticamente significantes entre os animais desses grupos. A análise morfológica revelou-se que, nos grupos pinealectomizados sem tratamento com melatonina ( G III e G V) o endométrio dos animais que estavam ciclando, apresentou aspecto normal exceto pela presença de inúmeras glândulas endometriais, na sua maioria dilatadas. Nos animais em estro permanente, o epitélio superficial apresentou-se cilíndrico simples, com estroma bastante desenvolvido e glândulas endometriais escassas, algumas apresentando epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado. ...(au).
Palavra-chave Endométrio
Estro
Melatonina
Histologia
Endometrium
Estrus
Melatonin
Histology
Idioma Português
Data de publicação 1998
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1998. 67 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 67 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15636

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta