Comparacao da efetividade da terapia comportamental-cognitiva breve individual e em grupo no tratamento de dependentes de alcool ou outras drogas

Comparacao da efetividade da terapia comportamental-cognitiva breve individual e em grupo no tratamento de dependentes de alcool ou outras drogas

Autor Marques, Ana Cecilia Petta Roselli Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Ha dez anos, a Unidade de Dependencia de Drogas (UDED) do Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo, vem realizando adaptacoes na Intervencao Breve, originaria no Addiction Research Foundation de Toronto no Canada, para o tratamento de dependentes de alcool e outras drogas. Este estudo teve como objetivos: adaptar a tecnica utilizada no tratamento individual para o tratamento grupal e comparar a aderencia ao tratamento e a efetividade segundo ambas abordagens, assim como seus fatores preditores. Como objetivo secundario, estudar a amostra segundo a principal dependencia (alcool e drogas). Apos a entrevista inicial, 155 pacientes foram encaminhados atraves de uma distribuicao alternante entre o atendimento individual (77) e grupal (78). O tratamento foi composto de uma fase de aquisicao, onde as sessoes foram semanais por um periodo de 2 meses (8 sessoes). Completando esta etapa, o paciente foi considerado aderido ao tratamento. A seguir, a fase de manutencao compreendeu sessoes quinzenais (4) por 2 meses e sessoes mensais (2) por mais 2 meses, quando o paciente recebia alta. O seguimento foi realizado um ano apos a admissao no tratamento para a analise da efetividade entre os dois tipos de abordagem, atraves de criterios de sucesso como: consumo da substancia, gravidade da dependencia e problemas associados; auto-avaliacao e entrevista com os familiares a respeito do paciente. As amostras foram homogeneas em relacao as caracteristicas socio-demograficas, gravidade da dependencia e problemas associados. No estudo da aderencia aos dois tipos de intervencao, considerando-se somente os dependentes do alcool, observou-se uma tendencia de maior aderencia ao tratamento em grupo. A aderencia dos dependentes de outras drogas nao foi influenciada pelo tipo de abordagem. O seguimento dos pacientes, realizado em media aos 15 meses do inicio do tratamento, segundo os criterios previamente determinados, nao demonstrou diferenca significativa entre as duas modalidades de tratamento: os pacientes tratados individualmente e em grupo melhoraram igualmente em relacao a gravidade da dependencia e problemas associados; ao consumo; na auto-avaliacao, e na avaliacao feita ao seguimento por seus familiares. Mostraram-se preditores de aderencia ao tratamento a abordagem e o convivio familiar, para dependentes de alcool, e a intervencao familiar e o SADD, para dependentes de drogas. Foram preditores de sucesso para dependentes de alcool o numero de sessoes frequentadas e a cronicidade, indicada pelo log da GGT. Para dependentes de drogas, os fatores preditores de sucesso foram a aderencia ao tratamento e o indice de severidade do consumo de drogas (ISCD). Como o grupo terapeutico apresenta uma melhor relacao custo-beneficio, este tipo de abordagem pode ser utilizada para o tratamento destes pacientes no Brasil, sem prejuizo da aderencia ao tratamento e de sua efetividade
Palavra-chave Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias
Resultado do Tratamento
Seguimentos
Previsões
Idioma Português
Data de publicação 1997
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 121 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 121 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15517

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta