Caracterização do modelo de epilepsia induzido pela pilocarpina durante o desenvolvimento

Caracterização do modelo de epilepsia induzido pela pilocarpina durante o desenvolvimento

Autor Priel, Margareth Rose Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Cavalheiro, Esper Abrão Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A ocorrencia de crises epilepticas e muito comum nos primeiros anos de vida e apresentam algumas particularidades quando comparadas as crises observadas em adultos, provavelmente devido a peculiaridades do cerebro em desenvolvimento. Alem disso, fortes evidencias sugerem que crises prolongadas ou status epilepticus podem preceder o aparecimento tardio de crises epilepticas focais ou generalizadas. Para estudar a relacao entre o aparecimento de crises epilepticas, a idade e o posterior desenvolvimento de epilepsia, utilizamos o modelo da pilocarpina que mimetiza as crises epilepticas espontaneas em humanos. Este modelo foi caracterizado em ratos adultos apresentando tres fases distintas: fase aguda, com status epilepticus; fase silenciosa com normalizacao progressiva do EEG e do comportamento; e a fase cronica com presenca de crises espontaneas e recorrentes. Alem disso, pesquisadores demonstraram a ocorrencia de brotamento neuronal e reorganizacao sinaptica nesse modelo, semelhante aquela descrita em humanos com epilepsia do lobo temporal. Com o objetivo de determinar a partir de que idade a ocorrencia de status epilepticus induzido pela pilocarpina resultaria em crises espontaneas tardias, e qual a influencia da variacao da temperatura corporal sobre este processo, ratos Wistar entre 8 e 120 dias de vida receberam pilocarpina (170-380 mg/kg. i.p., de acordo com a idade) 30 min apos a aplicacao de metil escopolamina (1 mg/kg s.c.). Um dos grupos foi mantido a temperatura ambiente (21°C ± 1°C), durante todo o periodo de status, e outro grupo foi mantido em camara aquecida a 35°C ± 1°C, ambos com controle da temperatura retal. Todos os animais que sobreviveram ao status epilepticus foram observados por 120 dias, e posteriormente os cerebros foram processados para neo-Timm e Nissl. Os resultados indicam que animais em desenvolvimento apresentam crises espontaneas e recorrentes apenas quando o status epilepticus e induzido a partir do 18º dia de vida, associado ao aparecimento de brotamento neuronal e reorganizacao sinaptica. A temperatura nao influenciou a latencia para o aparecimento de crises, nem antecipou a idade de aparecimento das mesmas. Portanto, ocorrencia de crises espontaneas apenas nos animais que foram submetidos a status epilepticus apos o 18º dia de vida sugere a necessidade de maturacao de determinadas vias ou sistemas no SNC, necessarios ao fenomeno epileptico
Palavra-chave Animais
Ratos
Epilepsia
Hipocampo
Animais
Ratos
Idioma Português
Data de publicação 1997
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 77 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 77 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15274

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta