Uso de celulas da medula ossea congeladas para estudo de cariotipo

Uso de celulas da medula ossea congeladas para estudo de cariotipo

Autor Stefano, Jose Tadeu Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Kerbauy, José Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo O estudo citogenetico habitual utiliza-se de celulas frescas para a cultura, o que limita o numero de experimentos a serem realizados. Este fato tem despertado o interesse de alguns pesquisadores em avaliar o uso de celulas congeladas para analise de cariotipo. Muito pouco tem sido modificado nas tecnicas de congelamento e descongelamento desde sua descricao, apenas o aprimoramento das mesmas tornando-as menos complexas e mais utilizaveis. O presente trabalho analisa os efeitos de metodo simplificado de criopreservacao no estudo citogenetico de celulas de medula ossea, utilizando agentes crioprotetores de baixo e alto peso molecular, sem velocidade de congelamento controlada. Avalia, tambem, o uso de GM-CSF como fator estimulante de crescimento e sua interferencia na qualidade das metafases. Para avaliar o efeito proliferativo do GM-CSF, utilizou-se o indice mitotico nas culturas de celulas a fresco e congeladas. O teste de viabilidade celular, azul de Trypan, foi realizado em todas as amostras para determinar o efeito do congelamento sobre as celulas. A concentracao media de celulas congeladas foi de 25,0 x 106 celulas / mL. As celulas foram criopreservadas em Normosol R contendo ohydroxyethylstarcho (HES) 12%, albumina humana 8% e imetilsulfoxido (DMSO) 10%. As celulas de medula ossea foram adicionados volumes iguais de solucao crioprotetora e a concentracao final foi HES 6%, Albumina Humana 4% e DMSO 5%. Foram estudadas 25 amostras de 24 individuos, sendo 8 com LMC, 6 com LMA, 3 com SMD, 2 com LLA-T, 1 com linfoma linfoblastico leucemizado, 1 doador de medula ossea para transplante, 1 com anemia megaloblastica, 1 com LMA em remissao ha 2 anos e 1 com LLA em remissao ha 4 anos. As celulas de medula ossea foram separadas em dois grupos: um para cultura a fresco e o outro para congelamento. Foram feitas duas culturas: uma simples e outra com GM-CSF antes e apos o congelamento. Por volta de 3 meses, as celulas congeladas foram descongeladas rapidamente por imersao em banho Maria a 37 C sem agitacao e diluidas com tres volumes de meio RPMI 1640. O material foi ressuspenso e dividido em duas culturas, uma com GM-CSF e outra sem. O teste de viabilidade celular pre e pos congelamento mostrou valores medios de 98,8% e 78,5% respectivamente. O teste t pareado, foi estatisticamente significante (p = 0,000), confirmando que a criopreservacao induziu um decrescimo na viabilidade celular e consequentemente no indice mitotico. Obteve-se sucesso em 76% dos casos de cultura de celulas a fresco e em 52% das congeladas, embora os aspectos morfologicos foram semelhantes em ambas. Em relacao ao indice mitotico, nao houve diferenca estatisticamente significante pelo teste t entre as culturas com e sem GM-CSF (p = 0,084). O uso de GM-CSF nao melhorou a quantidade e qualidade das metafases. Os dados mostram que os estudos em celulas congeladas nao devem substituir os de celulas a fresco, salvo nos casos de auto transplante e em pesquisas
Palavra-chave Neoplasias da Medula Óssea
Citogenética
Criopreservação
Idioma Português
Data de publicação 1997
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 87 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 87 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15242

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta