Características fisiológicas de corredoras de longas distâncias

Características fisiológicas de corredoras de longas distâncias

Autor Cesar, Marcelo de Castro Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Barros Neto, Turibio Leite de Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo Com o proposito de investigar os efeitos do treinamento de corridas de longas distancias no ciclo menstrual, densidade ossea, composicao corporal e potencia aerobia, 17 mulheres, 9 corredoras (COR) com idade media de 33,67 anos (27-40), peso 54,40 ± 4,41 kg e altura 159,67 ± 5,31 cm, e 8 sedentarias saudaveis (SED), de idades semelhantes, media de 33,50 anos (24-38), peso 59,92 ± 8,92 kg e altura 161,25 ± 7,04cm, foram submetidas ao seguinte protocolo: 1) dosagens sericas de estradiol, progesterona e prolactina; 2) densidade ossea de coluna (DO col) e femur (DO fem); 3) massa magra, gordura corporal e % de gordura; 4) teste ergoespirometrico maximo, em esteira rolante, para determinar o consumo maximo de oxigenio (VO2 max) e limiar anaerobio (LA); 5) monitorizacao da frequencia cardiaca de treinamento nas corredoras. Todas as mulheres, corredoras e sedentarias, eram eumenorreicas, nao sendo observadas diferencas em niveis sericos de estradiol (COR 110,50 ± 32,97 pg/ml vs SED 147,35 ± 70,48 pg/ml), progesterona (COR 9,79 ± 6,30 ng/ml vs SED 7,81 ± 7,32 ng/ml) e prolactina (COR 9,84 ± 4,05 ng/ml vs 9,36 ± 4,36 ng/ml). A densidade ossea foi maior (p < 0,05) nas corredoras do que nas sedentarias (DO col 1,27 ± 0,09 vs 1,17 ± 0,08 g/cm2 e DO fem 1,05 ± 0,18 vs 0,88 ± 0,06 g/cm2). A massa magra foi maior (p < 0,01) nas corredoras que nas sedentarias (41.319,56 ± 3.406,65 g vs 36.363,25 ± 3.475,15 g), a gordura corporal e % de gordura foram maiores (p < 0,01) nas sedentarias em relacao as corredoras (20.417,63 ± 6.104,60 vs 9.873,67 ± 4.349,67 g e 35,40 ± 6,07 vs 18,83 ± 7,14). O consumo maximo de oxigenio e o limiar anaerobio foram maiores (p < 0,01) nas corredoras do que nas sedentarias (VO2 max 55,18 ± 3,57 vs 37,01 ± 3,31 ml/kg/min, LA 44,42 ± 3,84 vs 20,92 ± 3,76 ml/kg/min). As corredoras treinavam 68,89 km/sem (50-100); intensidade media de 90,57% LA (85,48-96,45); media de gasto calorico estimado de 3.696,31 kcal (2.063,10 - 7.669,10). Os resultados sugerem que, apesar das grandes distancias de treinamento semanal, o treinamento em intensidade abaixo do limiar anaerobio de todas as corredoras pode contribuir para importantes beneficios fisiologicos sem nenhum prejuizo funcional
Palavra-chave Exercício
Mulheres
Consumo de Oxigênio
Hormônios
Densidade Óssea
Idioma Português
Data de publicação 1997
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 111 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 111 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15220

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta