Infeccao relacionada ao uso de cateter venoso central em pacientes internados em unidade de terapia intensiva

Infeccao relacionada ao uso de cateter venoso central em pacientes internados em unidade de terapia intensiva

Autor Conceicao, Fernando Max Lima da Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A complicacao mais frequente do uso do cateter venoso central (CVC) e a infeccao, que contribui para maior morbidade e mortalidade do paciente hospitalizado. No Brasil ha poucos estudos sobre a incidencia destas infeccoes. Assim, este trabalho teve como objetivos: avaliar a incidencia de infeccao relacionada ao uso de cateter venoso central (IRCVC) em pacientes internados em UTI; identificar os microorganismos responsaveis por estas infeccoes; analisar a associacao entre colonizacao e a infeccao relacionada ao uso de CVC; identificar as provaveis fontes de colonizacao destes dispositivos e os fatores de risco para a ocorrencia destas infeccoes. Este trabalho foi realizado no periodo de agosto de 1995 a janeiro de 1996 na Unidade de Terapia Intensiva da Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva Cirurgica do Hospital São Paulo. A populacao foi constituida de 64 pacientes que foram submetidos consecutivamente a cateterizacao venosa central nesta unidade, com 93 cateteres inseridos. Foram colhidas amostras da pele peri-insercao e da conexao do cateter a cada 48 horas, atraves de um swab. Em caso de suspeita de IRCVC era feita a retirada do cateter, sendo enviado cerca de cinco centimetros da sua extremidade distal para cultura. Nas suspeitas de bacteremia relacionada ao dispositivo, eram tambem coletadas, pelo menos, duas amostras de sangue de veia periferica para hemocultura. A colonizacao da pele peri-insercao foi observada em 54 (58,1%) dos 93 episodios de cateterismo venoso central e a colonizacao da conexao foi observada em 15 (16,1%). Entre os 26 cateteres enviados para cultura, obteve-se 12 culturas positivas (46,0%), com uma predominancia de S. aureus. A incidencia de infeccao relacionada ao uso destes dispositivos foi de 12,9%, com uma taxa de infeccao de 6,7 por 1.000 cateteres venosos centrais/dia. O principal microorganismo responsavel por estas infeccoes foi o S. aureus (66,7%), sendo todas estas cepas resistentes a oxacilina. Foram identificados como fatores de risco para a ocorrencia de IRCVC: o numero de cateteres inseridos (Z=2,67), o maior tempo de permanencia do cateter (Z=2,73) e o aumento do tempo de permanencia do paciente na UTI (Z=2,98)*. A associacao entre a ocorrencia de colonizacao da conexao e o uso de NPP mostrou-se estatisticamente significante (p=0,005). Ja, a colonizacao da pele peri-insercao, frequentemente associada como provavel fonte de colonizacao dos cateteres, nao se mostrou estatisticamente significante (p=0,20). A incidencia encontrada de infeccao relacionada ao uso destes dispositivos e considerada baixa, o que se deve, provavelmente, nao so a tecnica de insercao asseptica, como os cuidados locais, empregados na unidade, bem como o uso frequente de antimicrobianos, entre a populacao estudada
Palavra-chave Cateterismo Venoso Central
Unidades de Terapia Intensiva
Infecção Hospitalar
Sepse
Idioma Português
Data de publicação 1977
Publicado em São Paulo: [s.n.], 1997. 104 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 104 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/15216

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta