O sono como ativador do eletrencefalograma nos pacientes epilépticos

O sono como ativador do eletrencefalograma nos pacientes epilépticos

Título alternativo The sleep as an activator on epileptic patient's electroencephalogram
Autor Longo, Rosa Helena Autor UNIFESP Google Scholar
Lima, José Geraldo Camargo Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo In order to study the influence of sleep on the electroencephalograms of epileptic patients the tracings obtained of 1.868 such patients were analised (572 generalized seizures; 121 non-psychomotor temporal; 118 psychomotor; 410 non-temporal focal; 314 noctural seizures; 165 febrile seizures; 168 convulsive seizures associated with psychomotor retard). The electroencephalograms were made with the patients awake (rest and hyperpnea) and sleeping (slow phase), the findings being compared. There was not found any significant difference between the EEG tracings obtained during spontaneous sleep and medically induced sleep. In the majority of the cases the records obtained while the patients were asleep merely confirmed the ones made while the patients were awake. The activator action of sleep appeared only in small number of the cases, having it's peak on the group with psychomotor seizures (26%). In the generalized non-psychomotor temporal, non-temporal focal and noctural seizures the sleep acted as an antiactivator instead of an activator of the abnormalities recorded while the patients were awake.

Visando ao estudo da ação do sono como ativador do eletrencefalograma em pacientes epilépticos, foram estudados 1.868 pacientes com síndromes convulsivas (572 com crises generalizadas, 121 com crises temporais não psicomostras, 118 com crises psicomotoras, 410 com crises focais não temporais, 314 com crises noturnas, 165 com crises febris, 168 com crises convulsivas associadas a retardo psicomotor). Em todos os pacientes foram feitos eletrencefalogramas em vigília (repouso e hiperpnéia) e durante o sono (fase lenta) sendo os achados comparados. Em nosso material não encontramos diferença significativa de resposta entre o sono espontâneo e o medicamentoso. Na maioria de nossos pacientes o traçado realizado durante o sono confirmou os achados registrados em vigília. A ação ativadora do sono foi evidenciada em um número relativamente pequeno de casos, tendo atingido o seu máximo no grupo de pacientes com crises psicomotoras (26%). Nas crises generalizadas, temporais não psicomotoras, focais não temporais e noturnas o sono funcionou mais como desativador do que como ativador das anormalidades registradas em vigília.
Idioma Português
Data de publicação 1973-09-01
Publicado em Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO, v. 31, n. 3, p. 180-183, 1973.
ISSN 0004-282X (Sherpa/Romeo)
Publicador Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Extensão 180-183
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1973000300003
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-282X1973000300003 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/152

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-282X1973000300003.pdf
Tamanho: 522.2KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta