Efeitos do oleato de etanolamina na parede venosa, de cães

Efeitos do oleato de etanolamina na parede venosa, de cães

Título alternativo Ethanolamine oleate effects on venous dog wall
Autor Cruz Filho, Milton Autor UNIFESP Google Scholar
Maia, Celso Costa Autor UNIFESP Google Scholar
Abrahão, Silvio Autor UNIFESP Google Scholar
Baptista-Silva, José Carlos Costa Autor UNIFESP Google Scholar
Gomes, Paulo Oliveira Autor UNIFESP Google Scholar
Soufen, Marco Antônio Google Scholar
Novo, Neil Ferreira Autor UNIFESP Google Scholar
Juliano, Yara Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) Curso de Medicina Disciplina de Patologia Geral
Faculdade de Medicina de Santo Amaro
Resumo OBJECTIVE: Evaluate the ethanolamine oleate effects on venous dog wall. METHODS: The cephalic vein wall changes were evaluated in 39 male adults mongrel dogs, weighing 10-18 kg, randomly distributed in three groups (group 1 = 7 days, group 2 = 14 days and group 3, 21 days). Single punction and injection of 2 mL of 5 % ethanolamine oleate and 7, 14 and 21 days later operative specimen excision were compared to non-injected contralateral control vein. Histological parameters evaluated (hematoxylin-eosin and Masson's trichrome staining methods) were: venous thrombosis and organization, thrombus recanalization, media layer lesion and inflammatory process, outer wall inflammatory process, hemossiderin, sclerosant spillage outside the outer layer and hyaline amorphous material deposition. RESULTS: Venous thrombosis and thrombus organization were seen in all animals. Thrombus recanalization was not shown until 21 days. Media layer lesion occurred without inflammatory process. Outer wall inflammatory process was seen in all three time periods. Hemossiderin phagocytes occurred on 14th and 21st days. Sclerosant spillage outside the outer layer was seen only on the 7th day. Hyaline amorphous material deposition was seen only on the 21st day. CONCLUSIONS: Ethanolamin oleate in contact with the inner vein wall produced venous thrombosis, organized in all cases. During this study no significant recanalization was observed. Media layer vein lesion was seen in all animals without any correlate inflammatory reactive process. Reactive inflammatory process, hemossiderin phagocytosis, sclerosant spillage and hyaline amorphous material deposition was shown in the adventitia layer.

OBJETIVO: Avaliar a resposta biológica que o oleato de etanolamina possa desencadear na parede de veias superficiais normais de cães. MÉTODOS: Utilizados 39 cães, sem raça definida, adultos, machos, com peso variando entre 10 a 18 kg, distribuídos de modo aleatório em três grupos: grupo 1, avaliados após 7 dias, grupo 2, 14 dias e grupo 3, 21 dias. O procedimento foi realizado em duas fases. A primeira constou da injeção de 2 ml do oleato de monoetanolamina a 5%, por punção única na veia cefálica do membro torácico do cão. A segunda, realizada 7, 14 e 21 dias após, constou da retirada da peça operatória, tendo sido executada em três tempos diferentes, conforme o grupo a que pertencia o animal. As veias contralaterais foram extraídas como controle. Para estudo histológico utilizaram-se os métodos de hematoxilina-eosina e tricrômio de Masson. RESULTADOS: A trombose venosa e a organização do trombo ocorreram em todos animais estudados. A recanalização do trombo não foi observada de modo estatisticamente significante, até 21 dias de exame. Encontrou-se lesão de túnica média, que não foi acompanhada de correspondente processo inflamatório. Na túnica adventícia este processo foi visto nos três períodos de tempo estudados. Depósitos de hemossiderina em fagócitos ocorreram aos 14 e 21 dias de experimento. Extravasamento de esclerosante foi observado somente na primeira semana de estudo. Material hialino fibrinóide foi encontrado aos 21 dias de experimento. CONCLUSÕES: O oleato de etanolamina em contato com a parede interna da veia superficial produziu trombose venosa, a qual se organizou em todos os casos, não se observando sua recanalização durante o tempo deste ensaio. Houve lesão da túnica média venosa em todos animais estudados, sem que houvesse processo inflamatório reativo nesse local. Na túnica adventícia venosa surgiu processo inflamatório, além de sinais de extravasamento do esclerosante, da presença de hemossiderina e de material hialino externos à veia.
Palavra-chave Veins
Ethanolamine oleate
Dogs
Sclerosing solutions
Sclerotherapy
Veias
Oleato de etanolamina
Cães
Esclerosantes
Escleroterapia
Idioma Português
Data de publicação 2002-09-01
Publicado em Acta Cirurgica Brasileira. Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia, v. 17, n. 5, p. 317-326, 2002.
ISSN 0102-8650 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Pesquisa em Cirurgia
Extensão 317-326
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0102-86502002000500007
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0102-86502002000500007 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1512

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0102-86502002000500007.pdf
Tamanho: 536.6KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta