Queimaduras oculares químicas: epidemiologia e terapêutica

Queimaduras oculares químicas: epidemiologia e terapêutica

Título alternativo Chemical burns of the eye: epidemiology and treatment
Autor Noia, Luciana Da Cruz Autor UNIFESP Google Scholar
Araújo, Ana Helena Garcia De Autor UNIFESP Google Scholar
Moraes, Nilva S. Bueno De Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Purpose: Chemical injuries of the eye may produce exten-sive damage to the ocular surface, resulting in transient or per-manent visual impairment. Purposes: To obtain data about epidemiology and inicial treatment aplied to patients who have suffered from ocular chemical burns and have arrived at a universitary hospital. Methods: An ocular evaluation was performed 47 patients with ocular chemical burns in the ophthalmological emer-gency room of the Hospital São Paulo -- Escola Paulista de Medicina / Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Results: Most victims were young male adults and industrial accidents were quite frequent (46.8%). Alkaline agents were more often involved (55.32%). The cornea was affected in 95.7% of the cases and grade I and II of Hughes' classification were the most seen. Initial treatment of these patients was performed in 89.4% of the cases (ocular irrigation with physiological saline and debris removal) and 21 patients (44.68%) received topical medication. Conclusions: Several mistakes in the patients' initial approach were observed which may have influenced the prognosis of some patients.

Introdução: Queimaduras oculares químicas podem produzir danos importantes à superfície ocular, resultando em incapacidade visual transitória ou permanente. Objetivos: Levantar dados acerca da epidemiologia e do tratamento inicial aplicado aos pacientes vítimas de queimaduras oculares químicas que chegam a um hospital-escola. Métodos: Foi realizado exame oftalmológico em 47 pacientes vítimas de queimaduras oculares químicas no pronto- socorro do Hospital São Paulo - Escola Paulista de Medicina / Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Resultados: A maioria das vítimas era de jovens do sexo masculino e acidentes de trabalho foram bastante freqüentes (46,8%). Agentes de natureza básica (alcalina) foram envolvidos em 55,32% dos casos. A córnea foi afetada em 95,7% dos casos. Os graus I (78,8%) e II (12,8%) da classificação de Hughes foram os mais observados. O tratamento inicial dos pacientes foi realizado em 89,4% dos casos (irrigação copiosa do olho afetado com solução salina e remoção de debris) e 21 (44,68%) casos receberam medicações tópicas. Conclusões: Foram observados vários erros na abordagem inicial dos pacientes, o que pode ter influenciado o prognóstico de alguns pacientes.
Palavra-chave Ocular burns
Epidemiology
Emergency burn treatment
Queimaduras oculares
Epidemiologia
Tratamento de emergência
Idioma Português
Data de publicação 2000-10-01
Publicado em Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. Conselho Brasileiro de Oftalmologia, v. 63, n. 5, p. 369-373, 2000.
ISSN 0004-2749 (Sherpa/Romeo)
Publicador Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Extensão 369-373
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492000000500008
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-27492000000500008 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/1043

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-27492000000500008.pdf
Tamanho: 235.4KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta