Histopatologia e expressão imuno-histoquímica da proteína P53 nas queratoses actinicas associadas e não associadas ao carcinoma espinocelular da pele

Histopatologia e expressão imuno-histoquímica da proteína P53 nas queratoses actinicas associadas e não associadas ao carcinoma espinocelular da pele

Título alternativo P53 protein immnohistochemical expression and histopathology in the actinic keratoses associated and not associated with squamous cell carcinoma of the skin
Autor Pimentel, Dalva Regina Neto Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Alchorne, Maurício Mota de Avelar Autor UNIFESP Google Scholar
Resumo A queratose actínica (QA) é neoplasma cutâneo que se desenvolve em resposta à prolongada exposição à radiação ultravioleta (UV) podendo evoluir para o carcinoma espinocelular (CEC) invasivo. Objetivo: Estudar entre as QAs associadas e não associadas ao CEC da pele as possíveis diferenças histopatológicas e imuno-histoquímicas para a proteína p53 que possam auxiliar a identificação da QA com maior suscetibilidade de evolução para o CEC invasivo da pele. Métodos: Foram selecionadas 56 amostras de QAs da pele originárias de excisões cirúrgicas. Estas foram classificadas em dois grupos: 1. QAs com pele normal adjacente; 2. QAs adjacentes ao CEC cutâneo, com margens livres de comprometimento neoplásico e pele normal adjacente. O estudo histopatológico incluiu: atípica epitelial, processo inflamatório, elastose solar e os tipos histológicos de QAs. O estudo imuno-histoquímico para a proteína p53 foi realizado utilizando o anticorpo DO-7. Os cortes histológicos foram digitalizados na resolução de 0,50 µm/pixel usando o Sistema ScanScope GL® (Aperio, Vista, CA, USA). As alterações histopatológicas e imuno-histoquímicas nas QAs foram comparadas entre os dois grupos. Resultados: Das 56 amostras de QAs, 43 (77 por cento) apresentavam apenas QAs e 13 (23 por cento) apresentavam CECs da pele. Os tipos histológicos das QAs encontrados foram: comum (n=22), hipertrófica (n=21), atrófica (n=4), acantolítica (n=4), pigmentada (n=3) e bowenoide (n=2). A presença de CEC ocorreu apenas nas QAs tipos comum (8/22) e hipertrófico (5/21). Nenhum critério histopatológico apresentou associação significante quanto à presença e ausência do tumor. Observou-se que (44) 78 por cento das QAs foram imunorreativas para a proteína p53. No tipo histológico comum a média de núcleos corados para a proteína p53 nas QAs associadas ao CEC e não associadas foi de (8/22) 17,0 por cento e (14/22) 45,4 por cento, respectivamente, constatando associação significante (p=0, 011) quanto à presença do tumor, sendo mais prevalente os CECs nas QAs com menor positividade para p53. Conclusões: 1. Apenas os tipos histológicos de QAs hipertrófico e comum estavam associados ao CEC da pele exposta; 2. Nenhum outro critério histológico (grau e local da atipia epitelial, intensidade do processo inflamatório e grau de elastose solar) apresentou associação significante com a presença e a ausência de tumor. 3. A maioria das QAs, (78 por cento) foi imunorreativa para proteína p53, sugerindo que estas lesões apresentam alterações moleculares no gene p53; 4. A baixa porcentagem de positividade para a proteína p53 nas QAs tipo comum foi estatisticamente significante quanto à presença de tumor sugerindo, portanto, que estas lesões têm maior probabilidade de evoluir para CEC invasivo em comparação com aquelas de alta porcentagem de p53..
Palavra-chave Genes p53
Carcinoma de células escamosas
Neoplasias cutâneas
Ceratose actínica
Idioma Português
Data de publicação 2009
Publicado em São Paulo: [s.n.], 2009. 192 p.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 192 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/10370

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta