Tratamento da dioctofimose em quatis (Nasua nasua) com Ivermectina

Tratamento da dioctofimose em quatis (Nasua nasua) com Ivermectina

Título alternativo Ivermectin treatment of dioctophymosis in coatis (Nasua nasua)
Autor Cruz, Aparecida de Cássia dos Santos da Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Ajzen, Sergio Aron Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Objectives: To describe Dioctophyma renale sonographic image prior to and during Ivermectin treatment, kidney and liver parenchyma and abdominal cavity sonographic image during the study’s development, to study the red blood cell count, the kidney function by means of creatinine and urea dosing, the liver function by means of ALT (alanine aminotransferase) and alkaline phosphatase dosing, to verify the presence or absence of eggs in the urine parasitology test. Methods: 68 coatis of the Nasua nasua species, adult males and females, raised in the Parque Ecológico do Tietê semi-captivity system were assessed. All animals were weighed, anaesthetized, had a microchip inserted and underwent the following procedures: abdominal ultrasound, urine collection by cystocentesis for the parasitology test and external jugular venipuncture for biochemical analyses (creatinine, urea, ALT and alkaline phosphatase) and red blood cell count. Following ultrasound and urine parasitology test results, the animals were distributed into three groups. Non-parasitized animals were assigned to the SHAM group (n=20) and those parasitized were randomized between PLACEBO (n=24) and IVERMECTIN (n=24) groups. The three groups were randomized for the study time points (7, 14, 21 and 28 days). PLACEBO group animals were treated with 0.9% saline and those of the IVERMECTIN group were treated with Ivermectin. The treatment was performed at zero time point, with repetition on day fourteen. At the end of each period, anaesthetized animals underwent exploratory laparotomy for assessing the abdominal cavity, evidencing the presence or absence of parasites, viability thereof and possible injuries to other organs. Results: 70.6% of the animals were found parasitized. The SHAM group showed normal kidneys and abdominal cavity, as well as laboratory tests, except for slight anemia and eosinophilia. The PLACEBO group showed no difference in the parasite’s sonographic images, confirming vitality thereof by laparotomy. Left kidney hypertrophy and changes in the abdominal cavity were noticed. Laboratory tests showed eosinophilia and hemoglobin and ALT values slightly below the normal limits. On days 14, 21 and 28, the IVERMECTIN group showed differences in sonographic images of parasites located in the right kidney suggesting parasite death, confirmed by laparotomy. Changes in the abdominal cavity and left kidney hypertrophy were noticed. Laboratory tests showed lymphocytosis and hemoglobin, creatinine and ALT values slightly below the normal limits. Conclusions: Differences in sonographic images of parasites were noticed prior to and during Ivermectin treatment. Kidney and liver parenchyma and abdominal cavity ultrasounds evidenced changes in both groups of parasitized animals. Ivermectin-treated animals’ red blood cell count revealed satisfactory results with regard to eosinophilia and lymphocytosis. A slight change in creatinine values of Ivermectin-treated animals was noticed. The urine parasitology test suggested that the positivity may be related to the parasitized location and to the presence of female parasites. PLACEBO and IVERMECTIN groups showed slight changes in the liver function. Ivermectin-treated animals showed satisfactory responses with regard to alkaline phosphatase. Death of parasites located in the kidneys of Ivermectin-treated animals was noticed

Objetivos: Descrever a imagem sonográfica do Dioctophyma renale, antes e durante o tratamento com Ivermectina; a imagem sonográfica do parênquima renal, hepático e da cavidade abdominal, durante o desenvolvimento do estudo; estudar o hemograma, a função renal pelas dosagens de creatinina e uréia, a função hepática pelas dosagens de ALT (alanina aminotransferase) e fosfatase alcalina; verificar a presença ou ausência de ovos no exame parasitológico de urina. Métodos: Foram avaliados 68 quatis, da espécie Nasua nasua, machos e fêmeas adultos, criados no sistema de semicativeiro do Parque Ecológico do Tietê. Todos os animais foram pesados, anestesiados, microchipados e submetidos aos seguintes procedimentos: ultrassonografia abdominal, coleta de urina por cistocentese para o exame parasitológico e venopunção da jugular externa para análises bioquímicas (creatinina, uréia, ALT e fosfatase alcalina) e hemograma. Após os resultados da ultrassonografia e do parasitológico de urina, os animais foram distribuídos em três grupos. Os animais não parasitados foram encaminhados ao grupo SHAM (n=20) e os parasitados, randomizados entre os grupos: PLACEBO (n=24) e IVERMECTINA (n=24). Os três grupos foram estudados nos tempos 7, 14, 21 e 28 dias. Os animais do grupo PLACEBO foram tratados com solução fisiológica a 0,9% e os do grupo IVERMECTINA tratados com Ivermectina. O tratamento foi realizado no tempo zero, com repique no décimo quarto dia. Ao término de cada período, os animais anestesiados foram submetidos à laparotomia exploratória, para a avaliação da cavidade abdominal, comprovando a presença ou ausência de parasitas, sua viabilidade e possíveis lesões nos demais órgãos. Resultados: Foram encontrados 70,6% de animais parasitados. O grupo SHAM apresentou rins e cavidade abdominal normais, assim como os exames laboratoriais, com exceção de discreta anemia e eosinofilia. O grupo PLACEBO não denotou diferenças nas imagens sonográficas do parasita, confirmando sua vitalidade pela laparotomia. Foram observadas: hipertrofia renal esquerda e alterações na cavidade abdominal. Os exames laboratoriais indicaram eosinofilia, valores discretamente abaixo do limite normal de hemoglobina e ALT. O grupo IVERMECTINA 14, 21 e 28 dias apresentou diferenças nas imagens sonográficas dos parasitas que se encontravam no rim direito, sugerindo morte parasitária confirmada pela laparotomia. Foram observadas: alterações na cavidade abdominal e hipertrofia renal esquerda. Os exames laboratoriais indicaram linfocitose, valores discretamente abaixo do limite normal de hemoglobina, creatinina e ALT. Conclusões: Observaram-se diferenças nas imagens sonográficas dos parasitas, antes e durante o tratamento com Ivermectina. A ultrassonografia do parênquima renal, hepático e da cavidade abdominal evidenciou alterações nos dois grupos de animais parasitados. O hemograma dos animais tratados com Ivermectina demonstrou resultados satisfatórios em relação à eosinofilia e à linfocitose. Ocorreu discreta alteração nos valores de creatinina nos animais tratados com Ivermectina. O exame parasitológico de urina sugeriu que a positividade podia estar relacionada com o local parasitado e com a presença de parasitas fêmeas. Os grupos PLACEBO e IVERMECTINA manifestaram discretas alterações na função hepática. Os animais tratados com Ivermectina apresentaram respostas satisfatórias em relação à fosfatase alcalina. Observou-se morte dos parasitas localizados nos rins dos animais tratados com Ivermectina.
Palavra-chave Dioctophyma
Quati
Nematoides
Ivermectina
Nefrectomia
Idioma Português
Data de publicação 2010-03-31
Publicado em CRUZ, Aparecida de Cássia dos Santos da.Tratamento da dioctofimose em quatis (Nasua nasua) com Ivermectina. 2010. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/10134

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-076a.pdf
Tamanho: 1.882MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Publico-076b.pdf
Tamanho: 1.340MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Publico-076c.pdf
Tamanho: 641.3KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta