Short Form-36, Stanford Health Assessment Questionnaire-20 e Numerical Rate Scale em mulheres com disfunção temporomandibular

Short Form-36, Stanford Health Assessment Questionnaire-20 e Numerical Rate Scale em mulheres com disfunção temporomandibular

Título alternativo Short Form-36, Stanford Health Assessment Questionnaire-20 and Numerical Rate Scale in women with temporomandibular disorders.
Autor Oliveira, Luís Henrique Sales Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Veiga, Daniela Francescato Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Introduction: The term Temporomandibular Disorders (TMD) is a collective term used to describe a range of clinical problems involving the muscles of mastication, the temporomandibular joints (TMJ) and associated structures, or both. Objective: To evaluate quality of life, functional capacity and pain in women with TMD. Methods: We studied 60 female patients diagnosed with TMD, divided into three groups with 20 patients each: Group 1 (control), Group 2 (TMD, orofacial pain free) and Group 3 (TMD and orofacial pain ). The patients answered the instruments to assess quality of life (SF-36), functional ability (HAQ-20) and pain (NRS). Results: There was significant difference between groups in SF-36 physical functioning (p = 0.000), pain (p = 0.000), functional capacity (p = 0.004), general health (p = 0.000), vitality ( p = 0.000), emotional (p = 0.000), social (p = 0.000) and mental health (p = 0.000)., the HAQ-20 (p = 0.000) and the NRS (p = 0.000). In all the assessments group 3 presented worse results compared to groups 1 and 2. Conclusions: Women with TMD and orofacial pain had decreased quality of life and functional capacity.

Introdução: O termo Disfunção Temporomandibular (DTM) é um termo coletivo usado para descrever problemas clínicos que envolvem os músculos da mastigação, as articulações temporomandibulares (ATM) e estruturas associadas, ou ambos. Objetivo: Avaliar qualidade de vida, capacidade funcional e dor em mulheres com DTM. Métodos: Foram selecionadas 60 pacientes do gênero feminino, com diagnóstico de DTM, distribuídas em três grupos, com 20 pacientes cada: Grupo 1 (controle), Grupo 2 (com DTM, sem dor orofacial) e Grupo 3 (com DTM e dor orofacial). Foram aplicados instrumentos para avaliação da qualidade de vida (SF-36), capacidade funcional (HAQ-20) e dor (NRS). Resultados: Houve diferença significante entre os grupos quanto aos domínios do SF- 36 aspectos físicos (p= 0,000), dor (p=0,000), capacidade funcional (p=0,004), estado geral de saúde (p=0,000), vitalidade (p=0,000), aspectos emocionais (p=0,000), aspectos sociais (p=0,000) e saúde mental (p=0,000), quanto aos escores do HAQ-20 (p=0,000) e da NRS (p=0,000). Em todos os domínios o grupo 3 apresentou piores resultados em relação aos grupos 1 e 2. Conclusão: Mulheres com DTM e dor orofacial apresentam pior qualidade de vida e capacidade funcional.
Palavra-chave Avaliação da Capacidade de trabalho
Dor Orofacial
Qualidade de Vida
Transtornos da Articulação Temporomandibular
Dor Facial
Idioma Português
Data de publicação 2010-08-25
Publicado em OLIVEIRA, Luís Henrique Sales. Short Form-36, Stanford Health Assessment Questionnaire-20 e Numerical Rate Scale em mulheres com disfunção temporomandibular. 2010. 103 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 103 f.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/10080

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Retido-375.pdf
Tamanho: 444.7KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta